Guapore - Inicial  
Tempo
Pesquisar:   Acessibilidade A1 A2 A3
Serviços:               Portal da Transparência:
Declaração
Eletrônica ISS
 
Nota Fiscal Eletrônica
de Serviços
 
Portal
Municipal
 
Edital de Concurso Público
 
Prefeitura Transparente
 
Serviço de Informações
ao Cidadão
 
Portal da
Transparência
Home
NOTÍCIAS
01/02/2017
Educação: Carlos Rodrigues Brandão palestrará em Guaporé
Postado por: Secretaria da Educação
Educação: Carlos Rodrigues Brandão palestrará em Guaporé

A Secretaria Municipal de Educação está trabalhando integralmente dedicada à retomada das atividades em todas as escolas da Rede, no Ano Letivo 2017. Com a preocupação de oferecer uma programação diferenciada aos profissionais, na formação continuada dos educadores, um grande nome estará palestrando em Guaporé.
No próximo dia 10 de fevereiro, no Clube União Guaporense, das 8h às 11h30min e das 13h30min às 17h, com a temática Ressignificando a Educação: experienciar, cuidar e bem viver, muitas atividades serão realizadas.
Ponto alto será a presença de Carlos Rodrigues Brandão, um dos grandes nomes da Educação.

Carlos Rodrigues Brandão, por ele mesmo

Nasci no dia 14 de abril de 1940, no Rio de janeiro. Uma Guerra Mundial estava acontecendo e levaria ainda cinco anos pra acabar. Estudei em vários colégios e fui um precário estudante em quase todos. E um dia ingressei na PUC do Rio de Janeiro e me formei em Psicologia. Trabalhei e militei na Ação Católica e no Movimento de Educação de Base. Tudo o que vivi e escrevi depois sobre educação e movimentos populares vem destas primeiras experiências com a cultura e a educação popular.
Estudei Educação de Adultos no México, em um instituto da UNESCO, em 1966. Vivi em Brasília e Goiânia entre 1967 e 1975, trabalhando em movimentos sociais e como professor universitário, na Faculdade de Educação da Universidade de Brasília. Quando for agosto de 2007 estarei fazendo 40 anos de vida de professor. E quando já era professor da Universidade Federal de Goiás fiz o Mestrado em antropologia social, na Universidade de Brasília. Ingressei na Universidade Estadual de Campinas em janeiro de 1976 e estou nela até hoje, aposentado desde 1997, mas como professor colaborador voluntário. Fiz o doutorado em ciências sociais na Universidade de São Paulo, de onde fui professor visitante depois, em duas ocasiões. Alguns anos depois acabei sendo livre-docente, por concurso, na Universidade Estadual de Campinas. E um pouco mais tarde ainda, fiz um programa de pós-doutorado na Itália e na Espanha. O que aprendo na vida e com o povo, por onde tenho andado, valem mais do que tudo isto e foi assim que eu aprendi a diferença entre a ciência e a sabedoria.
Ao longo de minha vida, entre períodos de alguns meses ou de vários anos, lecionei em 12 universidades do Brasil e da Europa. Trabalho atualmente no Doutorado em Ambiente e Sociedade na UNICAMP e no Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Uberlândia. Trabalho também como professor em alguns cursos de especialização, dos quais um que ajudei a criar: Redes Solidárias em Educação e Ação Social. E tenho procurado estar vinculado ao movimento de sócioeconomia solidária. Divido, assim, a minha vida entre o professor e o pesquisador universitário, o educador popular, e o escritor. Sou casado há quarenta anos com Maria Alice e tenho dois filhos e dois netos.
Consegui tempo e coragem para escrever cerca de 60 livros e participar de alguns outros. São livros de antropologia social, de educação, de questões e vocações ambientais e de literatura, inclusive para crianças e jovens.
O título de meus últimos livros bem pode falar por mim e pelos caminhos por onde tenho andado: Somos as águas puras; A Canção das sete cores – educando para a paz; Aprender o amor; As flores de abril; O jardim da vida; Orar com o corpo; O jardim de todos; A pergunta a várias mãos; A educação como cultura; educação popular na escola cidadã; Paulo Freire – o menino que lia o mundo; De tão longe eu venho vindo; A Clara cor da noite escura; O rosto do deus do outro; O vento de agosto no pé de ipê.
Quando menino vivia no mato (literalmente, pois a floresta da Gávea emendava com o quintal de minha casa, na Rua Cedro, 262) sempre que podia. Depois fui escoteiro, guia excursionista e guia escalador. São os únicos diplomas que pendurei na parede. Há mais de 15 anos convivo ativamente com estudos e movimentos ambientalistas e, de maneira especial, com a educação ambiental. Recentemente escrevi para o Programa dos Municípios Educadores Sustentáveis, do Ministério do Meio Ambiente, um livro com as idéias essenciais da proposta. Seu nome: Aqui é onde Eu Moro. Aqui nós Vivemos.

Na foto:
Brandão é presença confirmada no dia 10 de fevereiro, em Guaporé.